segunda-feira, 29 de outubro de 2012

morte e vida;

Leito de um açude vazio, seco, no semiárido; de fato, a açudagem no NE, que já tem mais de 200 anos, não é solução; no verão de 11 meses, sem chuvas, a maior parte dos reservatórios do semiárido secam, exatamente quando o Homem e os bichos mais precisam de água, tanto para  o gado beber, como para se plantar capim irrigado, ração do gado; o tamanho do reservatório tem como critério básico as dimensões da bacia hidrográfica do rio ou riachos que o abastecem, mas há de se levar em conta, também, que a oferta de chuvas nesta área é variável de 250L/m² a 1.000L/m²/ano, uma diferença de 3/4 da menor para a maior; Se chover 250L/m²,  ano com El ñino, o açude nem toma água; se chover acima de 500L/m² o açude enche e sangra; se chover 1.000L/m², ano de La ñina,  a parede do açude tora, arromba com o excesso de água (quase sempre); Mas a fuga da água do açude poderia ser reduzida com uma cobertura vegetal em torno do represamento da água, exatamente o contrário do que o homem faz ao desmatar uma área 10 vezes maior do que a área coberta pela represa;