sábado, 29 de dezembro de 2012

Educação ambiental científica.

Ás margens do Riachuelo, o poço da MERDA, a céu aberto, localizado na área urbana, a 200m da sede da prefeitura, sem qualquer processo de tratamento, que já tem maioridade, contaminando a cidade, inclusive com a fedentina, que na cabeça dos governantes e dirigentes dos órgãos governamentais, IR)responsáveis funciona como "esgotamento sanitário". Os 4.000 habitantes da área urbana excretam diariamente 10.000 (ou 10m³) litros de excrementos, se houver água (do abastecimento urbano) para descarga dos excrementos, nos canos, seriam multiplicados por 100 = 1.000.000 de litros por dia; Acontece que o município de Riachuelo é abastecido com água do rio Açu-RN, a 124km de distância, com instalações obsoletas,  caducas, concorrendo para  o desabastecimento, de modo que só tem água durante 90 a 120 horas por  MÊS, problema que se agrava a cada dia; diante desta limitação de água, as famílias da área urbana tem que tomar 2 atitudes com relação aos seus excrementos: fazer as necessidades em urinol (pinico) ou em sacos plásticos, desfazendo-se do material na periferia da cidade(área rural), ou todas as pessoas de casa fazem as necessidades - defecar e urinar - uma de cada vez, armazenando os excrementos no "vaso" para o mínimo de "descargas". Em tempo! A área rural, 262,3km², mais 3.300 habitantes, depende dessa água para as atividades domésticas, com a atual seca de 2.012, com açudes vazios, até o gado depende dessa água (quando tem) que é conduzida da cidade para a zona rural em carro-pipa (MIN+EB) e trator-pipa (PMR). A situação é realmente crítica, mas não há qualquer manifestação por parte dos governantes, e a população permanece indefesa, incapaz de esboçar qualquer reação; morre na TUIA, como se diz por aqui.