domingo, 29 de dezembro de 2013

Educação ambiental.

Silagem de capim e palha de milho para alimentar o gado no verão; essa iniciativa, perfeitamente viável no semiárido é raríssima no meio rural; esses dois assentados do INCRA, no agreste RN, seriam exemplo entre as 240 famílias desse assentamento;  durante a estação chuvosa, nessa área, que durou de abril a julho de 2.013, a massa vegetal a nível de pasto, ração do gado, saiu de zero para 8 kg de massa orgânica, verde, por m², cerca de 80.000 kg por hectare; no lote de terras (15 hectares) de cada assentado gerou-se ração, alimento para 400 cabeças de gado/ano; mas o pasto tem vida curta - seca, morre; se o Homem colhesse, ainda verde, 10% das 1.200 toneladas de pasto criado no seu lote de terras, e fizesse a silagem, teria alimento franco para  seu gado o tempo todo; no caso desses 2 agropecuaristas (assentados do INCRA) , colheram o milho ainda verde (para comer e vender), e a palha verde do milho foi passada em forrageira para a silagem; o capim elefante que na época das chuvas cresce 3 cm por dia, foi cortado (colhido) e feita a silagem 2 vezes durante o período das chuvas; com um investimento, na compra das lonas de plástico, de 1.500 reais, os 2 pecuaristas têm ração para alimentar seu gado no verão, podendo aumentar o plantel, com segurança de que  a vaca bem alimentada vai dar mais leite, podendo se reproduzir; enquanto os demais assentados, do mesmo assentamento, nas mesmas condições, estão vendendo o gado, já perdendo peso, antes que morra. Soluções para se reverter o processo caótico e degradante da seca.