quinta-feira, 31 de janeiro de 2013

Educação ambiental.

Xiquexique no cerrado; ao longo destas postagens temos mostrado que o xiquexique é planta (cacto) de caatinga, que é semiárido por que não tem solo de sedimentação - o que se ver na caatinga é o subsolo coberto de pedras miúdas, seixos, irregulares, cortantes (arestas); que só existe caatinga (250.000km²) no sertão NE; não existe caatinga no agreste, zona da mata, nordeste amazônico; o xiquexique da fotografia está no cerrado do agreste RN (mas no sertão também tem solo e vegetação de cerrado); o xiquexique não nasce onde a espessura do solo é maior que 30 centímetros; o solo do cerrado pode chegar a 1m de espessura, mas no cerrado também existem lajedos emergentes; o xiquexique da fotografia nasceu (pelo aspecto e porte) há menos de 10 anos depois que essa área de cerrado, ligeiramente ondulada, foi exaustivamente explorada com roçados de algodão, milho, feijão, e todos os anos o arado da capinadeira tirava a cobertura vegetal rasteira, gramíneas (limpar), e arrancava o solo que era levado pelas enxurradas; ano, após ano o solo ia desaparecendo, afinando, até que finalmente as pedras (seixos)do subsolo e o lajedo da rocha matriz afloraram na  superfície; o xiquexique da fotografia é, portanto, uma planta nova nesta área, que surgiu depois que o Homem alterou o ambiente, particularmente eliminando o solo do cerrado. Apesar de ser uma planta que tem uma finalidade diante do contexto da vida, sua presença no cerrado, antes fértil, de grande espessura reflete um retrocesso, e retrata fielmente uma agressão ambiental.