terça-feira, 26 de março de 2013

Educação ambiental.

O que se vê nesta fotografia? uma rua calçada com pedras - paralelepípedos. Não é radicalismo; é REALIDADE;  O que para o Homem significa progresso, desenvolvimento, exatamente por que  está sendo agredido, mas não se dar conta, para a Natureza é um desastre de proporções catastróficas;  No lugar dessa rua de pedras havia parte da flora e da fauna local - milhares de elementos vegetais e milhões de elementos do reino animal foram expulsos para dar lugar á pedra; quando chovia a água se infiltrava no terreno criando e mantendo, facilitado pelas raízes das plantas, os lençóis de água subterrânea; hoje a água da chuva se choca com a pedra e escorre para a parte mais baixa, transtornos; com a eliminação da cobertura vegetal na área da cidade, todos os elementos da atmosfera foram alterados (degradação) com reflexos em uma área 10 vezes maior do que a área ocupada pela cidade (a atmosfera é dinâmica); ao alterar a cor do ambiente, antes ocupados pela vegetação e hoje ocupado por casas e pedras de cores variadas, predominante cinza (das pedras) o vento vai ficar doidão por excesso ou ausência, já que o comportamento do vento tem tudo a ver com temperatura e cor da luz ambientais. Se a pedra fosse branca a absorção de luz  solar seria menor, e a reflexão da luz seria maior; o fato da pedra ter a cor cinza ,é, para a luz, um meio-termo entre as cores preta e branca, mas não deixa de ser diferente da cor verde (550 milimicrons) das plantas, e portanto no centro do Espectro eletromagnético da Luz, como é Natural. Nenhum animal se sente feliz ao caminhar sobre pedras, lajedos, exatamente por que os pés, patas, não dispõem de proteção; e o que acontece com os pneus dos automóveis? o desgaste nas pedras irregulares, principalmente no eixo de tração, é 4 vezes maior do que no chão de barro, areia; quando pedra está quente, no caso, durante o dia, a borracha do pneu é mais agredida; quando chove, a pedra molhada, perde-se toda a estabilidade do automóvel; Para a Natureza essa pedra não deveria estar nesse ambiente; As casas de pedra (areia, cimento, tijolos, telhas, madeira) já são agressões, mas se as ruas não tivessem pedras (nem asfalto) o desequilíbrio ambiental não seria tão grave; Como se pode ver e sentir, cientificamente, por causa do seu automóvel o Homem virou o ambiente pelo avesso; Na prática e na  teoria o automóvel é uma arma de destruição em massa que não traz qualquer benefício para a flora e para para fauna; Não é radicalismo: é testemunhado todos os dia principalmente no no tráfego e no tráfico do Brasil; o Homem não abre mão do seu status, conforto do automóvel, mas está, com certeza, abrindo mão da vida; O Homem não poderá viver em detrimento das outras formas de vida.
Conheçam a "Cidade Racionalizada do Futuro" em dsoriedem.blogspot.com