quarta-feira, 27 de março de 2013

Educação ambiental.

Há cerca de 3,5 bilhões de anos a Terra era um deserto sem água e sem vida; De lá para cá muitas áreas da Terra se alternaram como desertos, e terras  férteis; No Brasil não existe deserto seco, embora uma pequena área no Maranhão, chamada de lençóis maranhenses, seja coberto de areia, e, não tendo solo, a vida é pouca; nessa área chove mais de 2.000L/m²/ano, e portanto seria semiárido,  já que somente um elemento natural está em desequilíbrio; A caatinga, semiárido natural presente em 8 Estados do NE é semiárido por que não tem solo de sedimentação, mas com as agressões ambientais ao longo de 300 anos começa a surgir um outro elemento em desequilíbrio - a água; As árvores da caatinga, dispersas e pequenas,  por falta ou escassez de solo orgânico, estão aclimatadas para receber 500mm de chuvas por ano, e a cada 8 anos sofrer um El Ñino com menos de 300L/m²/ano, mas o sertão NE é bem servido de solo orgânico nas várzeas e nos cerrados, e sendo a mesma oferta de chuvas da caatinga tem flora e fauna (nativas) com massa 10 vezes maior; Na fotografia temos o cerrado (onde não há caatinga) do agreste RN que recebia maior oferta de chuvas do que o sertão, mas com o desmatamento bestial virou semiárido; Antes de virar deserto o lugar passa pela condição de semiárido; é o caso do semiárido natural NE, a caatinga que embora recebendo a mesma chuva do sertão, o fato de não ter solo (subsolo impermeável) faz com que a água das chuvas fique menos de 5% na caatinga, enquanto áreas  do sertão guardam até 10% da água das chuvas recebida;  A Natureza pode, durante milhões de anos transformar área fértil em semiárido e deserto, mas a caatinga do NE sempre foi semiárido por falta ou escassez de solo, provavelmente um caso ímpar na Terra.
Com relação ao terreno da fotografia, antes cerrado, com solo denso, é possível ainda transformá-lo, recuperá-lo, criando uma cobertura vegetal de 0,3m³/m², o que pode ser feito com massa vertical - árvores frutíferas e de extrativos (e alimento do gado); como a oferta de chuva atual é incompatível com a necessidade de água de 0,3x5x365= 547,5 L/m²,  reserva-se  5% da área para se captar e se armazenar água das chuvas para criar, aos poucos, essa cobertura vegetal, provavelmente em tempo de 5 anos, quando a própria cobertura vegetal, nesse nível, seria capaz de recriar o solo, melhorar o clima, participar da formação de nuvens e de chuvas em período de 10 anos, provavelmente; Já que a caatinga não tem solo para gerar vida, e representa 250.000 km² do sertão NE, esse terrenos seria reservado para captação e armazenamento de água das chuvas, todos os anos, digamos, vários projetos desenvolvidos em 10% da caatinga - 25.000 km²; Essa água captada e armazenada tal qual vem das nuvens primeiramente atenderia o abastecimento urbano, digamos, 10.000 km²; Com oferta de chuvas de (média) 400mm/ano são 4.000.000 de litros por hectare, 400.000m³/km²; multiplicando-se por 10.000 km² = 4.000.000.000 m³; se cada pessoa necessita de 20m³/ano (racionalmente são 50L/pessoa/dia) para beber e abastecimento doméstico, daria para 200 milhões de pessoas, por ano,  a população do Brasil; os 15.000 km² restantes com água captada e armazenada para agricultura permanente (verticalidade das árvores frutíferas, extrativos), com 4.00.000 m³ / km² - 6.000.000.000 m³, com 547,5 litros /ano, ou 0,5475 m³/m²/ano de área plantada, ou arredondando para 0,6m³ de água por m² de vegetação; = 10.000.000.000 m² de área plantada.