terça-feira, 30 de abril de 2013

Educação ambiental.

Interior de um prédio da cooperativa agropecuária (faz de conta) lagoa nova, assentamento do INCRA em Riachuelo-RN, vendo-se a sucata de máquinas do que teria sido uma "casa de fazer farinha", casa de farinha de mandioca produzida nesta propriedade há 20 anos, e hoje, 2.013, cultura inviabilizada, não por causa da escassez de chuvas, já que a mandioca consegue nascer, crescer e reproduzir-se, com 8 meses de vida, com apenas 100mm de chuvas nos primeiros 60 dias de sua vida, quando armazena nas  suas raízes, tubérculos, toda água de que precisa para viver. Mas, em contrapartida, a mandioca esgota o solo facilmente, a ponto de esgotar totalmente o solo se plantada no mesmo lugar 3 anos seguidos; como o Homem nordestino não faz a reposição dos nutrientes, e não tem qualquer outra preocupação com a cultura, além de esperar as chuvas, jogar a semente no chão molhado, e esperar, esperar, se: a semente germinar; se as pragas não comerem; se a terra permanecer molhada pelo tempo que a lavoura precisa; se a planta se reproduzir; se houver colheita; se.......