terça-feira, 30 de julho de 2013

Educação ambiental.

Tudo o que o Homem chama de desenvolvimento sustentável é fator de desintegração da vida; estamos (a fotografia) no Seridó RN, nos deslocando de carro pela BR 226 e RN 288, de Currais Novos até São José do Seridó avistamos 11 cerâmicas, ou olarias, somente nas margens dessas rodovias, o que mostra que essas indústrias de barro existem aos milhares no RN; para a comunidade científica e para o governo essas industrias representam empregos, rendas, progresso, desenvolvimento, riquezas; essas indústrias do barro, cerâmicas, olarias que fabricam telhas, tijolos, blocos, e outros artefatos de argila para a construção civil existem  em todo o Brasil, mais acentuadamente na Região Sudeste, considerada a mais desenvolvida; todas as pessoas com o mínimo de racionalidade sabe o quanto a Natureza está pagando caro para que o Homem de barro tenha a sua casa de barro, formada de peças de argila queimada, assada. na Região Sudeste 80% do solo são apropriados para a confecção de peças de argila, e a vegetação queimada pela indústria do barro para ASSAR as peças de cerâmica ainda é abundante, e tem massa vegetal  (nativa) de 0,8m³/m²; Mas no sertão do RN esse barro usado na confecção de peças de cerâmicas só existe nas várzeas dos rios e riachos temporários, que são as únicas terras agricultáveis da área; na caatinga do sertão onde estão as olarias não existe, naturalmente, lenha para se assar as peças de barro; as únicas árvores que se vê nesta fotografia são 2 algarobas plantadas; na caatinga do sertão NE a massa vegetal é 0,03m³/m², e por isso a lenha para assar as peças de argila vem de algarobas, que não nascem na caatinga, plantadas nas várzeas dos rios e riachos, as mesmas várzeas de onde se tira o barro para a confecção das peças de cerâmica, ou da vegetação de cerrado que ainda existe no sertão; a algaroba, árvore invasiva, trazida dos desertos da América do Sul, como forrageira para alimentar o gado do semiárido, se torna adulta com 10 anos de vida, e todo seu corpo é lenha,inclusive as folhas secas; pode brotar ramos novos quando cortada com machado, foice, MAS não se revigora quando cortada com motosserra, o que é mais comum; As cerâmicas no sertão do RN vem sendo apontada pela comunidade cientifica como sendo a maior agressão ambiental que, ao eliminar o único Solo agrícola do sertão, e devastar a vegetação, inviabiliza qualquer forma de produção de alimentos, por que modifica o clima já naturalmente fragilizado do sertão nordestino; Pode-se dizer que a instituição das cerâmicas no sertão NE é a mais eficiente forma de progresso da Morte do Nordeste Brasileiro.