sexta-feira, 29 de novembro de 2013

Educação ambiental.

Rio Potengi, o rio grande do norte; nosso objetivo e ênfase em mostrar esse rio seco, em um trabalho de educação ambiental cientifica, se torna mais importante por ter sido esse rio, que nasce em Cerro Corá- RN, com 176 km de extensão, que tem a foz em Natal, que deu o NOME à Capitania - 1.534, à Província - 1.822,  e ao Estado RN - 1.889; que durante milhões de anos foi rio caudaloso; em milhares de anos, rio perene, durante centenas de anos, rio temporário, e a partir do final do Século 20, rio seco; é rio temporário quando em determinada época do ano, normalmente na época das chuvas, tem água corrente no leito; rio seco quando se passam até 5 anos sem ter água corrente no leito; a última enchente desse rio aconteceu em julho de 2.011; costuma-se imaginar que a transformação de rio temporário em rio seco, tem como causa a redução na oferta de chuvas; de fato é uma das causas; outra causa, que também surgiu com a redução na oferta de chuvas, é a construção de açudes, já que para a comunidade científica, a açudagem seria a forma de se armazenar a pouca água das chuvas, e assim dispor-se de água no verão, de até 240 dias, para se plantar capim na vazante do açude, ração verde para alimentar o gado, e também água para o gado beber, e para o abastecimento urbano; no rio Potengi há um açude - o açude Campo Grande em São Paulo do Potengi, a 70km da foz, e portanto a 106 km das nascentes do rio; nos afluentes desse rio, entre São Paulo do Potengi e Cerro Corá , sertão RN,  há mais de 100 açudes, todos SECOS, vazios nesta data (da fotografia); nos afluentes entre São Paulo e São Gonçalo do Amarante há outros tantos açudes, alguns com água por conta da melhor oferta de chuvas nessa área do agreste e zona da mata; o açude Campo Grande, o maior desse rio, tem cerca de 20% de sua capacidade ocupados com LAMA fedorenta; uma das causas que inviabilizam a construção de açudes, como forma de se armazenar água para a seca no  semiárido, é a grande evaporação de água de superfície livre, um fenômeno recente - são 11 litros de água evaporados da superfície do açude, por dia/m²; por ano seria a fuga de uma lâmina de água de 4m de espessura.