quarta-feira, 28 de agosto de 2013

Educação ambiental.

A extinção da última espécie de primatas hominídeo na Terra pode está  caracterizada na ocupação do Nordeste brasileiro; nesta fotografia o prédio enorme de uma escola em ruína na área rural de Cerro-Corá-RN; pelas dimensões o prédio com 4 salas de aulas destinavam-se ao ensino de pelo menos 120 jovens e crianças de um povoado próximo; é estranho que mesmo não estando sendo usado para o ensino, o prédio não tenha sido aproveitado em outras atividades dessa comunidade; Imagina-se o dispêndio de recursos e planejamentos dos órgãos governamentais para a construção dessas instalações, que inclusive tem a casa do(a) diretor(a) anexo, e depois de funcionar 20 anos ou mais, como escola, e sabendo-se que a população(e alunos) só tende a aumentar nesse período, de REPENTE não serve, não atende; logicamente só funcionava o "primário" da 1ª à 4ª série, pela manhã e à tarde, e que os alunos que concluíam a 4ª série tinham de ir para a cidade, sede do município, para prosseguir nos estudos; mas sempre haveria crianças para estudar o "primário" nessa escola; o deslocamento de jovens da área rural para a cidade é comum nos municípios do Nordeste, e hoje o governo federal   DOA ônibus apropriados, mas há 20 anos esse deslocamento era precário, inseguro em caminhão pau-de-arara, inadequado ainda mais para deslocar crianças do "primário", com até 10 anos de idade. Quanto desastre administrativo, quantos sonhos perdidos; Temos mostrado outras escolas abandonadas na zona rural do agreste e sertão RN, mas podemos acrescentar que o abandono não seja só da escola, mas do próprio ambiente rural; É mais provável que o abandono dessa escola tenha como causa a falta de alunos; na década de 50 e 60 (Século XX) o homem nordestino fugia da SUA SECA para as regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste, já que não conseguia fazer agricultura e criar gado com os frequentes anos com oferta de chuvas abaixo de 300mm/ano; na década de 70 fugia para o Nordeste Amazônico MA/PI, ou para a transamazônica, de tal forma que as terras, as fazendas dessa área foram abandonadas; nesse período de 50 a 70 havia  casos em que as cidades perdiam população ano, a ano, isto depois do governo esgotar todas as ideias e formas de manter o Homem na terra - açudes, poços tubulares, cisternas, Etc ainda em voga, que não funcionam, mas hoje o assistencialismo, paternalismo  convencem (e viciam) o Homem; o Nordeste Brasileiro tem 3 áreas que somam 630.000km², maior do que a Região Sul, aonde jamais faltou água doce para se fazer agricultura e se criar gado: 90.000 km² da Zona da Mata; 190.000 km² do Sul da Bahia; 350.000km² do Nordeste Amazônico; enquanto isto o Nordeste produz menos de 30% da massa de alimentos que consome, e tem 20 milhões de nordestinos, com mais de 12 anos de idade, que ingere, por dia, menos de 1.000 Kcaloriras; dosriedem.blogspot.com, Educação ambiental científica, conclui: As escolas construídas na zona rural do NE estão abandonadas, esvaziadas por que ao invés de se ENSINAR o Homem local a VIVER sem a seca, o propósito (e proposta) é alimentar-se a seca com modalidades da indústria da seca, com ideias absurdas, infrutíferas, sobejamente fracassadas, a forma de manter o Homem sempre carente, sujugado ao poder econômico, administrativo que englobam o poder político, e assim, dependente, formar os currais eleitorais manipulado pela elite até hoje.