sábado, 31 de agosto de 2013

Educação ambiental.

Complementando as postagens que mostram a involução do Homem no Nordeste, que dar prova cabal de que a última espécie de hominídeo está em processo de Seleção Natural, ou melhor, autodestruição, vamos apresentar  a terceira modalidade da indústria da seca na fazenda Serra Branca, em Riachuelo-RN, naturalmente representado o grande DESASTRE ambiental promovido por todos - governo, "comunidade científica" e a sociedade em geral estabelecida; nesta fotografia uma das cisternas que o governo construiu nessa propriedade rural ao longo de 50 anos; à medida que as casas vão sendo abandonadas, caindo, com o Homem fugindo para a cidade, as cisternas de placas de cimento vão arriando, a partir do teto;  Vimos nestas últimas postagens que os governos - federal, estadual, municipal tentaram de tudo que estava ao alcance de sua limitada intelectualidade, racionalidade, disponibilizar água nessa pequena fazenda, mantendo o Homem na terra: açudes, tanques no lajedo, e cisternas; somando-se todas essas ideias, o resultado não poderia ser diferente da MERDA mostrada; as cisternas apontadas  e promovidas pelo governo e comunidade, como uma solução para amenizar a seca, é na realidade uma estupidez intelectual que já tem 6.000 anos na Terra, quando o Homo  Sapiens, gerado na Mesopotâmia começou a se difundir em torno dessa área deserta, aonde a oferta de chuvas é menor que 200mm ao ano, e por isso não tem rios (são poucos e dispersos), não tem lagos de água doce, e não havia tecnologia para se cavar poços, cacimbões, já que nessa área deserta da Ásia (e provavelmente na África) existem bolsões de terras que dispõem de lençóis de água e até oásis. No Nordeste a ideia da cisterna é absolutamente nociva, e desnecessária, como veremos na postagem seguinte.