domingo, 30 de junho de 2013

Educação ambiental.

O Cacto xiquexique já foi a planta mais abundante da caatinga do sertão nordestino, mas ao longo de 200 anos foi intensamente queimado para alimentar o gado bovino na seca e no verão; Mas aqui, nesta fotografia estamos no agreste RN onde o xiquexique não é usado para alimentar o gado, já que  se tem outra opção; o cardeiro, mandacaru (que NÃO nasce na caatinga do sertão); No agreste RN-PB-PE-AL-SE-BA, cerca de 50,000 km², o xiquexique só nasce em lajedos, ou em terreno raso forrado com lajedo; nesta fotografia se vê xiquexiques vivos onde há solo raso em cima do grande lajedo, mas também há xiquexique morto (preto) onde  o solo sobre o lajedo era muito fino, espesso, e foi arrastado pela água das chuvas (erosão) facilitado (por gravidade) pela inclinação do lajedo; os espinhos do xiquexique são muito resistentes às intempéries, e é possível que essa massa orgânica de espinhos tenha uma utilidade: armazenar água das chuvas para servir de reserva de água para o xiquexique vivo; O ser vivo só morre quando queimado, virando cinzas, carvão, fumaça, fuligem.